Anus Mundi

LITIGARE CUM VENTIS
"Um país é feito de homens e livros" – nos anos 70, esta frase de Monteiro Lobato foi utilizada de forma grandiloqüente nas propagandas "educativas" do governo militar. A pretexto de estimular o hábito de leitura do brasileiro, a tv era canhoneada com essas propagandas cívicas a cada intervalo. O objetivo escuso desse súbito e exaltado interesse dos militares pela cultura livresca era dissimular a conhecida paúra que tinham dos livros. Tal qual misósofos vestidos com a pele de educadores, os militares apresentavam a leitura como um nobre e solene dever cívico. Não deu certo. As propagandas só acentuaram ainda mais a relação apática que o brasileiro tem com a leitura.
Anos atrás, a Rede Globo (há muito acusada de ser o dejetório fedorento da cultura) convidou celebridades de notória ignorância para promover a leitura e, por tabela, melhorar sua imagem diante de seus detratores. Jogadores de futebol, atores de novela, modelos, cantores, socialites e marqueteiros apresentaram seus livros de cabeceira como um xarope amargo – mas necessário – que se toma antes de dormir e que deve servir para alguma coisa. Também não deu certo.

TIMEO HOMINEM UNIUS LIBRI
O brasileiro compra em média 1,8 livros por ano. Desta média, 67% são livros didáticos (esses que se compra a contragosto, a mando da escola). De livros não-didáticos, a média é praticamente meio livro por ano (uma média que tem se mantido estável por mais de vinte anos). Ou melhor, o brasileiro lê em média um livro a cada dois anos.
Na Colômbia (país que o brasileiro comum considera pobre e atrasado), a média anual de livros não-didáticos por habitante é 2,4 (quase 5 vezes mais que a do Brasil). Nos Estados Unidos e na Inglaterra, a média anual é 5, e na França 7. Enquanto o brasileiro lê um livro a cada dois anos, o europeu lê um livro a cada dois meses. Deste modo, se um brasileiro adquire o hábito de leitura, vamos dizer, aos 15 anos e morre aos 65, ele leu 25 livros durante toda a sua vida. 25 livros é o que um europeu lê em pouco mais de 4 anos. Ou seja, o que um europeu lê durante o final de sua adolescência (dos 15 aos 18 anos) corresponde ao que um brasileiro lê durante toda sua vida.
Num país onde apenas 23% da população tem emprego com carteira assinada e onde 80% mal consegue subsistir dignamente (estou falando do Brasil!!!), é tolice esperar que essa nação de pobres inclua um livro em sua minguada cesta básica. No entanto, uma pesquisa de Orçamentos Familiares do IBGE (realizada em 2003) mostra que, na divisão de gastos da classe média, o livro fica atrás das despesas médias com cigarro, perfume, cabeleireiro e manicure. E a mesma pesquisa revela que famílias com maior poder aquisitivo consomem 4 a 6 vezes mais esses produtos do que livros.

ABYSSUS ABYSSUM INVOCAT
Uma pesquisa conduzida pela UNESCO em 2000, com a gurizada de 15 anos (das escolas públicas e particulares), revelou que a maioria dos alunos brasileiros (tanto das escolas públicas quanto das particulares) não entende patavina do que lê, é capaz apenas de realizar tarefas simples (como localizar informações específicas num texto), confunde sua opinião com a opinião do autor e tem dificuldades em relacionar o conteúdo lido à realidade. Não é à toa que hoje já consta no currículo de muitas escolas particulares uma matéria nova, com professores especificamente treinados para ministrá-las: compreensão de texto. A simples compreensão do que se lê (que deveria vir naturalmente através do hábito aprazível da leitura) é hoje ensinado como "ciência independente" (a ciência de aguçar a intuição, lapidar o chute, e assim ter algum sucesso em questões de múltipla escolha que "caem" no vestibular).
Esse estapafurdismo educacional acontece porque ensinar compreensão de texto a não-leitores é como ensinar uma tartaruga a andar na corda bamba. O que o educador brasileiro faz é amarrar o bichinho a uma roldana, deixar a roldana deslizar pela corda e dizer: "olha! Quem disse que tartarugas não andam na corda bamba?".

SUNT PUERI PUERI, PUERILIA TRACTANT
Não é surpresa que a educação brasileira seja infantilizada e infantilizante. O método educacional utilizado no curso primário inexplicavelmente se repete no secundário e na universidade: o professor passa a matéria na lousa, os alunos copiam da lousa, o professor explica o que escreveu, e depois a alunada toda tenta decorar tudo aquilo antes da prova. E a coisa mais espiclondrífica de tudo isso é que o conteúdo do livro adotado pelo professor (livro que os alunos têm de comprar) é transcrito para a lousa e retranscrito para o caderno dos alunos, e o tempo que se perde para produzir essas duas cópias é chamado de "aula".
Incapazes de aprender pela leitura (pois a escola e a família não os preparam para isso), os alunos brasileiros são uns eternos "dependentes escolares" – acreditam que somente um curso universitário pode lhes outorgar conhecimento. Só proceis vê como as coisa tão: dias atrás, deixei um sujeito boquiaberto quando citei alguns detalhes da vida de Isaac Newton. Ele ficou pasmado quando soube que eu nunca tinha "feito curso de História".

MUNDUS VULT DECIPI
O valor simbólico que a cultura brasileira atribui ao livro e à educação é de caráter esquizofrênico. Por um lado, fala-se muito em "melhoria da educação", "revolução educacional", "necessidade da leitura". Por outro lado, o que o brasileiro menos quer é educar-se. Se, ao invés de carros e eletrodomésticos, os programas de tv dessem como prêmio um vale-livro no valor de 10 mil reais – para o sujeito inaugurar uma pequena biblioteca em casa, ou uma bolsa de estudo numa universidade SÉRIA, o sujeito contemplado cuspiria na cara do apresentador.
Quando o brasileiro diz "quero uma educação melhor", na verdade, está dizendo "quero um diplominha universitário fácil, que não me dê muito trabalho para conseguir, e que me possibilite arranjar um emprego melhor". Educação séria (prá valê mesmo!!!) envolve um nível de empenho, interesse e vocação acadêmica que poucos estariam dispostos a encarar.

STULTORUM INFINITUS EST NUMERUS
É curioso que, num país de não-leitores, exista uma preocupação obsessiva com o "português bem falado e escrito". Nunca houve tanta gente alarmada com os descaminhos da língua portuguesa como há hoje. A mera inobservância de regrinhas gramaticais tolas (como dizer "duzentas gramas" ao invés de "duzentos gramas") é considerada falta imperdoável, suficiente para estigmatizar qualquer falante ou escrevedor da língua.
Esse "policiamento lingüístico" (promovido por gente imperita e revistas palpiteiras) é hoje uma forma de preconceito velado do cidadão de classe média (que não se sente à vontade para espezinhar abertamente o pobre, o negro e o nordestino – que, afinal de contas, não falam um português nem melhor nem pior do que ele).

VOX CLAMANTIS IN DESERTO
Einstein e Aristóteles, embora separados por um abismo secular e cultural, tinham uma opinião em comum: ambos acreditavam que somente a busca de conhecimento motivada pela curiosidade, pela pura vontade de conhecer o mundo ao seu redor (sem ter qualquer outro objetivo em mente), redundaria em verdadeiro progresso humano.
Frank Zappa, que também pensava da mesma forma – mas que não dourava a pílula em suas declarações, escreveu num de seus álbuns: "drop out of school before your mind rots from exposure to our mediocre education system. Go to the library and educate yourself if you’ve got any guts".

21 comentários:

Permafrost disse...

esplendoroso texto

mas... mas... ¿a citação do FZappa não estaria dizendo q o pobrema não é especificamente brasileiro?

Malaquias disse...

Permafrost,
Como a frase do Zappa está num de seus álbuns que ironiza o modo de vida americano, creio que ele se refere à educação americana. Não sei se o problema da educação é especificamente brasileiro: o que sei da educação em outros países é de pura orelhada. O que sei é que a educação brasileira é considerada pela UNESCO uma das piores do planeta.
Estou cada vez mais convencido de que a escola é apenas um “apêndice social” da educação familiar. A verdadeira educação acontece no seio da família, e a escola apenas dá um polimento sofisticado a esta educação. Na cabeça dos falantes da língua inglesa “education” e “upbringing” são coisas completamente distintas. As famílias (falantes do inglês) se preocupam em dar aos filhos o melhor “upbringing” possível, e esperam que as escolas moldem sobre este “upbringing” sua “education”. No Brasil, “educação” e “educação” são a mesma palavra. As crianças chegam às escolas sem qualquer “upbringing”, pois os pais acham que “educação” é trabalho das escolas e não deles. E pior ainda: “educação familiar” é entendida pelo brasileiro como “ensinar os filhos a tratar as pessoas com educação”. O que o falante do inglês entende como três palavras distintas (“upbringing”, “education” e “politeness”) o brasileiro entende como uma: “educação”. E o brasileiro junta tudo isso numa coisa só (como se fosse uma coisa só) e entrega na mão da escola: “toma lá meu filho! Eduque-o!”.

Permafrost disse...

C'est vrai. Já tive esse problema em conversas. Uma vez, um cara dizia q o problema do Brasil era a educação, o salário dos professores, &c. Logo em seguida, reclamou q brasileiro é tão mal-educado q joga lixo na rua, &c. Qdo eu apontei "educadamente" a confusão q ele estava fazendo, ficou meio calado, não sei se encafifado com a peça q a língua lhe pregara ou se chateado comigo. O fato é o brasileiro parece ter três razões diferentes pra ficar deprimido: no Brasil há carestia de education, de upbringing e de politeness.

jerônimo disse...

Eu só queria entender: se há um problema que é de falta, então por que sobram "soluções"?

Rafael disse...

Sendo sincero, gostei de tudo menos da parte das estatísticas. Motivos pessoais. Só isso.

E, se minha opinião vale de alguma coisa, concordo com Einstein e Aristóteles. O primeiro grande desafio é gostar. Escrevo grande porque isso é bem difícil de fazer num lugar onde dizer que gosta de matemática é o mesmo que dizer que come merda.

ps: Do gostar pro ter curiosidade só muda a preguiça.

Anônimo disse...

Sr. Malaquias,

Faz tempo que o senhor não nos entretém com seus textos...

Mauro Castro disse...

O problema é, realmente, brasileiro. Neste pais até um taxista lança livro. Francamente.
Há braços!!

osrevni disse...

E como inculcar a curiosidade?

barb michelen disse...

Hello I just entered before I have to leave to the airport, it's been very nice to meet you, if you want here is the site I told you about where I type some stuff and make good money (I work from home): here it is

Monica Mamede disse...

Olá Malaquias,

Acabei de chegar aqui neste fi-lo, e adorei! Gostaria de saber se posso encaminhar seu post/texto para uma lista do meu curso. Daria uma ótima reflexão... o que me diz?


Volto sempre

Rildo Hora disse...

Cultura é bacana. Mas só serve se for aliada à inteligência, e essa é tipo "lagarta ou borboleta". Ou ela vem no pacote, ou fica prá próxima. Concordo com o Zappa. Se queres cultura, passa longe da escola. Mas se queres inteligência, podes ficar por lá mesmo, ou não. De qq maneira não lograrás teu objetivo.
O antônimo de "culto" é apenas "ignorante". O de "inteligente" é, infelizmente, "burro".
Parabéns pelo texto. E um abração!

Renan disse...

"...o conteúdo do livro adotado pelo professor (livro que os alunos têm de comprar) é transcrito para a lousa e retranscrito para o caderno dos alunos, e o tempo que se perde para produzir essas duas cópias é chamado de "aula"."

Infelizmente é assim, na maioria, e ninguém liga pra isso, nem mesmo o professor.

JM disse...

O problema não é comprar livros. Eu mesmo não compro um livro faz uns cinco anos, nem por isso deixei de ler. Não gosto de acumular coisa em casa. E só leio um livro por vez. Então, sempre troco um livro por outro no sebo, e assim vou lendo. Ou então pego em alguma biblioteca - ou a municipal, ou a da universidade. E agora, estou lendo um que emprestei de um amigo. Quem quer ler, lê.

Anônimo disse...

...Ainda bem que meu filho dorme abraçado com os livros, e troca a tv por uma boa história... Valeu a pena o esforço. ps: ele tem 4 anos

cschlemihl disse...

Releio esse texto de tempos em tempos. Até escrevi alguma coisa sobre a pesquisa mais recente, que é mais engraçada do que animadora...

Anônimo disse...

O que alguém sabe por saber? Nada. Vivem a repetir, feito papagaios, conhecimentos alheios que, por sua vez, foram decorados de algum lugar, que por sua vez etc.
Saber por saber, por conhecimento próprio, é o apanágio de muito poucos, que perceberam a tempo que mais valia a pena não ter sabido de nada do que ter que descartar tudo. Ih, tá todo mundo tão longe... e se envaidecem. Não sei de quê.

Anônimo disse...

Há um anacronismo feio em comparar as opiniões de Einstein e Aristóteles sobre a verdadeira busca do conhecimento. E mesmo assim, da onde viria essa pura vontade de conhecer o mundo? Idealismo que não se encaixa na raiz do problema educacional. Uma pergunta ao pensamento progressista de um Einstein, criado e crente na democracia americana, e se essa pura vontade batesse de frente com os interesses do estado capitalista? A discussão é mais profunda do que parece...
Frank Zappa falar dessa maneira, ter sua opinião, não significa que esta esteja certa -seu texto é um sofisma, quer comparar sistemas educacionais diferentes. Quer também colocar o Brasil como um país atrasado, banhando-se nas estatísticas quer compara-lo sendo que todos os sistemas educacionais possuem suas falhas.

Anônimo disse...

Thаnk you а bunch for sharing this wіth
all folks yоu actually undeгstand ωhat you're talking about! Bookmarked. Please also seek advice from my site =). We will have a link trade arrangement among us

Here is my page; http://lesedreamteam.blogspot.fr/

Anônimo disse...

Woah! I'm really digging the template/theme of this website. It's simple, yet effectіvе.

A lot of tіmes it's very difficult to get that "perfect balance" between user friendliness and visual appeal. I must say that you'νe done a еxcellent јob ωith this.

Also, the blοg loads veгy quісk foг me on Firеfoх.
Εхсellent Βlog!

Мy ωebsite - http://www.sfgate.com

Anônimo disse...

This еxcellеnt website tгuly has all
the info Ι nеeded аbout this subject anԁ
dіdn't know who to ask.

Review my web-site - V2 Cigs Reviews

Anônimo disse...

Ahаa, itѕ nice dіscussion on the topic of this pіece of wrіting here
at this website, I havе read all that, so noω me also commentіng at thіѕ plасe.


Visit my ωeb site princetonsocialpages.com